06 março, 2017




















Graffiti: "A capacidade de entender os sinais por detrás dos cactos.", Vila Pompéia, SP, Brasil, 2017;
Graffiti:
"Toda preguiça que me amarra deixo na beira da ladeira" SSA, BA.
""De assédio em assédio se deu o limite. A caçadora enfiou na goela abaixo o maltrato." SSA, BA.
"O ritual das antigas inscrições vai além da minha existência." Lençóis, BA.
"Garimpeira" Lençóis, BA.
"Oxumaré deu pra mim a outra metade do barco", SSA, BA.
"o olho que tudo vê", SSA, BA.
"No alto do morro ao lado dos mortos vejo sua aflição de saber que um dia se deitará ao meu lado." 
Lençóis, BA,  brasil, 2017;

Graffiti: "Arapuca" 1¤ encontro de Graffiti de Maringá, PR,  2017
Performance: "pela morada moradia eu luto todos os dias", Ocupa Paulista MTST, SP,  2017;
Instalação: " restos. Espera um pouco até eu repocompor meus pedaços", muro da performance que fiz pro show da @aassumpcao .
Graffiti - "tudo tem sim", SESC Vila Mariana, SP, 2017;
Sketchbook - "Eu quero é botar meu bloco na rua." - carnaval, sp, brasil, 2017.


aguardei 
água ardente.
tanto, 
por esse momento quente.

ingeri
tangerina.
na língua dela
purpurina.

dilatada.
ancas mancas.
transpirava
todas as ruas nuas.

as mão estendidas aos céus.
seria alguma deusa?
ela me olhava com tanta certeza
que me levaria pra casa.

mas se cortaram minhas asas...

almeja a alma os dias de carnaval?
pra cortejar seu olhar
sem se culpar.


27 dezembro, 2016















Tem dias que ferve.
Febre.
Antes mesmo dos pés tocarem o chão. 
Tem dias que é a milhão.
.
Hoje é dia de maldade.
Arde. .
.
Fim de tarde.
Quase miragem.
Quase ninguém.
.
Parecia tão perfeito. 
Como beijo de cinema.
Congelados.
Que pára a cena.
.
Som desligado
por causa da polícia.
eu e você parados
No meio da pista.
.
Em
flagrante.
.



 Exposição Reciclos - "concreto armado" | escultura | 2016
Graffiti: "Trincheira" - são paulo | brasil | 2016
Performance Show Anelis Assumpção | SESC Pinheiros | São Paulo | Brasil | 2016

18 outubro, 2016




 foto: Clarissa Camargo


                                                      Video: Luisa Mantoani


















O que era mesmo que eu tava falando?
Ah!! os boatos da noite anterior.
Era a fruta do desejo.
.
Fui presa fácil perto do corredor.
Virei tapume de construção.
Tapete aconchegante da sala de estar.
Alinhada sua figa na minha.
.

Na imaginação era festa de são salvador.
Tsunami em alto mar.
Derretimento polar.
.

Contradizendo idas e vindas da sua mão.
Manipulação do luar.
Esse em escorpião.
.

Não tenho mais no que apostar.
É isso que temos pra hoje.
.
Guardo retalhos do seu olhar.
Fragmentos do seu cheiro no ar.
O toque da respiracao.
.
Isso que nos pertence até então.
E nada mais.
.


Performance: "Meu Muro" na 2° Virada Feminista | CCJ |  São Paulo | Brasil|  2016

Graffiti: "Você vai dá conta do que sai de mim?" | Bela Vista | São Paulo | Brasil | 2016 
Graffiti: ""desertei em cactos selvagens: percepções do feminino"  | SESC Vila Mariana | São Paulo | Brasil | 2016
Graffiti: "A colecionadora de pedras atiradas." Praça da árvore | São Paulo | Brasil | 2016
Graffiti: "amazonas " Projeto Heroínas | São Paulo | Brasil | 2016
Graffiti:" esse laço eu desfaço desde que me entendo por gente"  | Vila Madalena | São Paulo | Brasil | 2016
Entrevista:    Programa Metrópolis, da TV CulturaE começa com a música das Pitaias
http://tvcultura.com.br/videos/56748_metropolis-mag-magrela.html